Criança


Eu quero ser criança. Ser criança de corpo e alma, brincar e imaginar um mundo só meu. Quero poder rir com inocentemente, poder queimar com o desejo da curiosidade. Queria ser livre de pessoas, livre da ambição e das responsabilidades, livre do peso da vida. Quero ser criança, com a consciência de quem sente regozijo por ela mesma, quero ter o pecado da ignorância, e a benção de uma alma virginal. Queria o suspiro puro e a voz de humildade infantil. Quero, por tudo, minha alma repleta de poesia que faz músicas, de novidades, de fantasias, de brilhos. Quero de volta o meu tesouro, a minha contemplação de um mundo bucólico, simples. A suspeita fugaz de momentos que não duram mais do que cantigas e amores passageiros. Quero mergulhar no tempo que já passou, nesses aureos idos de uma outra vida. Quero, por toda a poesia, música e beleza, voltar a ser criança.