Exílio


Nos drogamos ao nos apaixonarmos. Afirmamos detidamente sentimentos obscuros embaixo do escudo dos desejos infames, por mais mesquinhos, egoístas, pequenos. Palavras quaisquer são proferidas, embarcam na loucura dos ventos e vão para longe do nosso íntimo ser, restando apenas resquícios de ilusões. Entretanto, não bastam apenas textos e mais textos contatando nossa realidade diante de tal enfermidade, é preciso vivê-la com a carne, é preciso deixar que sua estupidez seja assistida pelos ecos de uma existência misantrópica. A desgraça evoluí, dilacera, gela teus instintos e por fim, se torna bela. Tu não devias ter aberto sua boca imunda ao tentar contradizer-me aos romantismos, perdeste tua credibilidade toda, tua vergonha escorre por cada poro do seu corpo e suas ações são totalmente colocadas em xeque.
As árvores dançam, as folhas tremulam no ‘mónocour’ do passado. Gritos, beijos, abraços, verdades esfaqueadas e um cigarro aceso voltam a realidade. Como um prelúdio surreal, o beijo estala trépidamente anunciando o caos. Não é necessário continuar a narrar, caro leitor, a barbárie da carne é bela e espantosa, igualmente, apenas imagine.
Restou aqui um único caminho a seguir. Aventurar-se é perigoso, podes atingir o êxtase ou cometer o suicídio. Vê tuas decepções,encara teus milhões de erros irrefutáveis, ora, apenas isto basta para que um buraco profundo te apareça no peito e o consuma, dissipando qualquer evidência de vida vivida e vida morta, O amor foi o primeiro a ser banido de vez do teu novo reino. Não podes mais aproximar-te de alguém...o que acha que encontrarão ao cavarem tua cova no peito ?
Lembranças hoje trazem lágrimas e lágrimas afundam navios de sonhos que vagam sem rumo certo em um oceano de ossadas. Refuto aqui a teoria: Me foi prometida a felicidade eterna depois do éter desaparecer por completo. Desapareceu tudo e não ressurgiu nada. Pois bem, traço meu próprio fim: Assim como a fênix que renasce das cinzas, meu pessimismo se fez vivente, e então, voou pelas eras estilhaçando o vermelho, respingando ira e amargura nas faces dos Deuses, o peso das lamentações foi capaz de afundar o mais imbecil apaixonado e o mais benevolente entre os amantes. As palavras se fundiram aos chamados grotescos e se fez ali a mais bela dentre todas as sinfonias já orquestradas. Aceita tua condição, aprendiz de Medéia...


A cortina do palco de um coração honesto já vai se fechando, a felicidade tardou demais a chegar e as folhas já estão caindo pois as novas precisam nascer...